FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Varejo e serviços impulsionam PIB no 1º trimestre, mas expectativa agora é de desaceleração

Publicado em : 23/05/2022

Fonte : Estadão -

Os bons resultados do varejo (2,3%) e dos serviços (1,8%) no primeiro trimestre impulsionaram a atividade econômica e levaram a uma onda de revisões para o PIB no ano, com o mercado chegando mais próximo à previsão feita pelo governo, de alta de 1,5%. Mas, para analistas, o fôlego desses dois setores deve arrefecer ao longo do ano, com impacto da alta das taxas de juros e o esgotamento dos estímulos ao consumo. 

Com isso, várias instituições revisaram, para cima, as projeções de PIB para o ano, como o Barclays (0,3% para 1%), Bradesco (1% para 1,5%), Goldman Sachs (0,6% para 1,25%), Banco Inter (0,8% para 1,2%) e Bank Of America (BofA, 0,5% para 1,5%). Em março, o crescimento foi de 1,7% nos serviços e de 0,7% no varejo ampliado, ambos bem acima da mediana das pesquisas do Estadão/Broadcast, de 0,8% e 0,1%, respectivamente.

"Achávamos que as famílias teriam de escolher entre bens de consumo e serviços, devido à inflação, à taxa de desemprego ainda elevada e ao salário baixo. O que mudou é a decisão do governo de tentar salvar a atividade trazendo parte da renda futura para o presente", diz Eduardo Vilarim, economista do Banco Original. "As famílias mais ricas ainda têm uma poupança formada na pandemia que está sendo gasta agora, tanto em bens quanto em serviços, e as de menor renda têm as transferências e benefícios do governo."

Para Rodolfo Margato, economista da XP Investimentos, o deslocamento de gastos do comércio varejista para serviços ocorreu no terceiro e no quarto trimestres de 2021. No primeiro trimestre deste ano, porém, um crescimento de 4% na massa de renda disponível foi fundamental para impulsionar o crescimento simultâneo dos setores. O cálculo da XP leva em conta a massa de renda na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), mas também considera transferências de renda, benefícios previdenciários, abono salarial e seguro desemprego.

"Essa expansão de renda disponível se deve à recuperação do mercado de trabalho, que ganhou tração nos últimos meses, tanto no segmento formal quanto no informal. O retorno da população ocupada dá sustentação ao consumo de curto prazo", explica Margato. "O Auxílio Brasil também teve uma contribuição positiva, e olhando à frente entram outras medidas de antecipação de renda, como saques do FGTS e antecipação do décimo terceiro."

O desempenho melhor que o esperado da atividade no início do ano levou a XP a elevar a projeção para o PIB do primeiro trimestre de 1,1% para 1,4%. Para o crescimento anual de 2022, a estimativa subiu de 0,8% para 1,6%.

Desaceleração à frente

O economista-chefe da Vinland Capital, Aurelio Bicalho, ressalta que a recuperação dos serviços prestados às famílias impacta o mercado de trabalho e aumenta a massa salarial, por ser um segmento intensivo em mão de obra. Dessa forma, o setor é capaz de avançar sem que haja uma redução significativa no consumo de bens.

A Vinland espera crescimento de 1,3% do PIB em 2022, com avanço de 1% no primeiro trimestre, desaceleração a 0,2% no segundo, queda de 0,3% no terceiro e alta de 0,2% no quarto. "Fatores específicos como Auxílio Brasil e FGTS ajudam agora, mas depois geram efeito contrário. Além disso, no segundo semestre devemos observar um efeito maior do aperto monetário, sobretudo no consumo de bens duráveis", diz Bicalho.

Embora a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) tenha registrado crescimento robusto do setor no primeiro trimestre, há sinais mistos nas aberturas, que mostram um processo de acomodação em alguns segmentos, segundo a pesquisadora sênior de economia aplicada e coordenadora do Boletim Macro do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Silvia Matos. Ela cita preocupação com a parte de alimentos, após a atividade de hipermercados apresentar queda de 0,2% na PMC de março.

"Os bens não duráveis, que são sobretudo os alimentos, estão muito fracos. A inflação está batendo aí. Apesar dos resultados positivos, as famílias estão fazendo algo difícil para normalizar a cesta de consumo", diz a economista, que espera alta de 0,8% do PIB no primeiro trimestre e de 0,7% em 2022. "Teremos desaceleração nos próximos meses. É difícil ter uma manutenção desse ritmo de consumo."

A visão de arrefecimento da atividade na sequência do ano é compartilhada pelo mercado. Estímulos adicionais, como a liberação de saque do FGTS e o adiantamento do décimo terceiro salário, ainda devem sustentar o consumo no segundo trimestre, mas a antecipação tende a produzir efeitos negativos na metade final do ano. As medianas são de alta de 0,2% do PIB no segundo trimestre e quedas de 0,2% no terceiro e de 0,3% no quarto, após 0,8% no primeiro, segundo a última pesquisa do Projeções Broadcast.

De acordo com Margato, da XP, a massa de renda disponível deve acelerar a um crescimento de 7% no segundo trimestre e manter o ritmo do consumo das famílias, com uma alta de 0,4% do PIB. Depois, o cenário é negativo, com recuos de 0,3% e 0,5% nos trimestres restantes.

"A melhora do mercado de trabalho deve ter uma perda de fôlego nos próximos meses, então a contribuição da renda do trabalho deve ser menor. E o impacto da alta de juros também deve ser mais sentido no segundo semestre, após a política monetária entrar em terreno contracionista no fim do ano passado", diz.
















Goiás cria mais de 14 mil vagas de emprego no mês de maio

Goiás cria mais de 14 mil vagas de emprego no mês de maio

 12/07/2022

 O Popular

Goiás criou mais de 14 mil vagas de emprego formais em maio, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que aponta o estado como líder de geração de empregos no Centro-Oeste.  Dados mostram que o setor de [...]