FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Filiados

Crise faz mulheres se virarem com comércio ambulante

Publicado em : 10/09/2018

Fonte : Folha de São Paulo -


Vendedora ambulante Lúcia Severina

No começo de 2015, Lucia Severina, 49 anos, não encontrava mais trabalho como diarista em São Paulo. Na época, a crise econômica já se aproximava e, apesar da procura, as oportunidades estavam escassas. Para garantir o sustento, ela decidiu trabalhar como ambulante.

Em princípio, vendeu água, suco e refrigerante. Mas a concorrência com esse tipo de comércio não fechava as contas e, no final do mês, o dinheiro não era suficiente.

Decidiu trocar sua mercadoria por panos de prato e temperos e fixou seu ponto de venda no centro de São Paulo. “Não falo que ficou mais fácil. Continua bastante difícil, mas antes era muita gente vendendo os mesmos produtos. Pelo menos agora o meu é diferente”, conta.

Assim como Lucia, o número de mulheres que entraram na estatística dos vendedores ambulantes aumentou entre 2015 e 2017. Durante esse período, 55,5% dos brasileiros que começaram a trabalhar nas ruas são mulheres. Ao todo, há 182 mil espalhadas pelo país.

Já em relação aos ambulantes que começaramatrabalhar na função antes de 2015, a participação feminina é menor do queamasculina. Elas representam 47,9%eeles, 52,1%. Atualmente, existem 291 mil mulheres e 316 mil homens.

Os dados foram detalhados pelo Dieese (departamento de estatística), com base na Pnad Contínua do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017, a pedido da reportagem.

Segundo Gustavo Monteiro, técnico do Dieese, a realidade dos ambulantes é precária e com pouca perspectiva. “Como a profissão não tem fiscalização, nem registro,oque conta é a ‘sorte’ das vendas”, afirma.

Para Jefferson Nery do Prado, professor de economia do Mackenzie, o crescimento feminino pode ser interpretado como um reflexo das mudanças sociais. “Na crise, a mulher vai pegar a mercadoria e sair à rua. As mudanças do lugar da mulher abriram o leque de possibilidades de trabalho para elas.”

MENOS QUE UM SALÁRIO MÍNIMO

Em um carrinho de mercado com um guarda-sol pendurado, Maria Alcilene da Cunha, 36 anos, improvisou uma churrasqueira para assar espigas de milho.

A unidade custa R$ 2,50, mas ela conta que, se o cliente pede um desconto, ela aceita na hora. “Essaéa única fonte de renda. Não posso perder a venda por conta de 50 centavos”, diz.

Desempregada desde o final de 2014, Maria encontrou nas ruas a alternativa para seu sustento. “Perdi as contas da quantidade de currículos que enviei e de trabalho que procurei quando fui demitida”, afirma.




No Brasil, mãe recebe até 40% menos

No Brasil, mãe recebe até 40% menos

 11/12/2018

 Estado de São Paulo

Além das distorções salariais em relação aos homens, as mulheres enfrentam um outro desafio no mercado de trabalho - quanto mais filhos elas têm, menor é o salário que elas ganham. A diferença não é pequena, uma [...]


Desocupação no Brasil subiu para 12,5% entre 2015 e 2017

Desocupação no Brasil subiu para 12,5% entre 2015 e 2017

 05/12/2018

 Agência Brasil

A taxa de desocupação no Brasil, que era de 6,9%, subiu para 12,5% entre 2014 e 2017, o que significa 6,2 milhões de pessoas desocupadas a mais no período, com crescimento em todas as regiões e em todos os grupos etários. O trabalho informal chegou a [...]









Profissionais precisam ser cada vez mais digitais

Profissionais precisam ser cada vez mais digitais

 19/11/2018

 Folha de Londrina

O lápis apoiado sobre a orelha e um bloco para anotar os pedidos nas mãos. Foi assim que Rosenbergue Bueno, 64 anos, começou a trabalhar como balconista em uma loja de material de construção em 1974, em Londrina. A experiência adquirida ao longo de [...]