FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Filiados

Comissão do TST vê reforma válida apenas para contratos novos

Publicado em : 09/01/2018

Fonte : Agência Estado -

Uma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir de 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes.

O jornal O Estado de S. Paulo obteve parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST, onde foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta obtida defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado preposto.

Composta por três ministros, a comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquiridos” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros - dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante.

Pesquisador diz que “parte do benefício será perdida”

O pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia e professor da Fundação Getúlio Vargas, Fernando de Holanda Barbosa Filho, acredita que o tratamento diferente para velhos e novos empregados vai gerar incerteza jurídica e pode até prejudicar o trabalhador.

“Toda a incerteza vai continuar. O objetivo da lei era dar mais segurança jurídica ao permitir que a empresa saiba exatamente quanto vai custar o empregado”, acredita o professor, caso a revisão das súmulas seja feita da forma como a comissão propôs. “A reforma queria reduzir essa incerteza e, assim, ampliar a formalização e o número de postos de trabalho. Entendo que uma parte do benefício (da reforma) seria perdida”, diz.

 







Saiba quais são os direitos do consumidor endividado

Saiba quais são os direitos do consumidor endividado

 14/09/2018

 Uol Economia

  O consumidor que perdeu o controle das contas e acabou com o nome sujo também tem seus direitos garantidos. Segundo a legislação, as empresas podem solicitar que as entidades de proteção ao crédito, como SPC Brasil e Serasa [...]




SECEG PROMOVE SEMINÁRIO DO E-SOCIAL

SECEG PROMOVE SEMINÁRIO DO E-SOCIAL

 10/09/2018

 SECEG

  Seminário: Análise Prática da Implantação do E-Social   Data: Próxima quinta-feira, dia 13   Horário: No período da tarde das 14h às 18h   Investimento: Apenas R$ [...]


Crise faz mulheres se virarem com comércio ambulante

Crise faz mulheres se virarem com comércio ambulante

 10/09/2018

 Folha de São Paulo

Vendedora ambulante Lúcia Severina No começo de 2015, Lucia Severina, 49 anos, não encontrava mais trabalho como diarista em São Paulo. Na época, a crise econômica já se aproximava e, apesar da procura, as oportunidades estavam escassas. Para [...]


Reforma trabalhista trouxe mudança para ações

Reforma trabalhista trouxe mudança para ações

 10/09/2018

 O Popular

Prestes a completar dez meses (entrou em vigor em 11 de novembro do ano passado), a reforma trabalhista alterou profundamente o modo de pedir na Justiça do Trabalho. Agora, as ações estão mais enxutas, sob todos os aspectos, tanto pelo número de pedidos [...]