FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Vendedora obrigada a trabalhar em pé durante toda a jornada consegue indenização

Publicado em : 10/01/2020

Fonte : TRT-3 -

Uma vendedora procurou a Justiça do Trabalho de Minas alegando ter sido submetida a condições de trabalho indignas, já que a empresa não disponibilizava assentos para os empregados durante a jornada. Ela pediu indenização por danos morais.

Mas a juíza sentenciante, considerando que função de vendedora exige que o trabalho seja executado de pé e que a loja ficava dentro de um shopping que conta com praça de alimentação e sofás espalhados em todos os corredores, entendeu que a inexistência de assentos no interior da loja não caracterizou trabalho em condições degradantes a ponto de ofender a dignidade da trabalhadora. Por isso, indeferiu o pedido.

A vendedora, inconformada, recorreu dessa decisão. E a 1ª Turma do TRT de Minas, acompanhando voto do juiz convocado Mauro César Silva, deu razão a ela, julgando favoravelmente o recurso. De acordo com o relator, a prova testemunhal demonstrou que não havia cadeiras dentro da loja e isso, no seu entender, aviltou a dignidade da empregada, submetida a trabalhar exaustiva e ininterruptamente em pé.

O próprio representante da empresa admitiu que a loja já foi notificada por falta de adequação de cadeiras. A testemunha declarou também que a trabalhadora não usufruía de nenhum intervalo.

Diante do cenário que despontou das provas, o relator pontuou não ser crível que a empresa concedesse à trabalhadora alguma pausa para se sentar, já que sequer concedia o intervalo alimentar. "Assim, data venia, ainda que se considere que a função desempenhada pela reclamante realmente exigisse que ela permanecesse de pé na maior parte do horário de trabalho, não é razoável que a reclamada não propiciasse à empregada a oportunidade de se assentar entre um atendimento e outro, o que se agrava, conforme já mencionado, pelo fato de a autora não gozar do tempo mínimo legal de intervalo intrajornada, conforme reconhecido na sentença", registrou.

O relator lembrou que o parágrafo único do artigo 199 da CLT dispõe que"Quando o trabalho deva ser executado de pé, os empregados terão à sua disposição assentos para serem utilizados nas pausas que o serviço permitir". No mesmo sentido, ele citou também o item 17.3.5 da NR-17 da Portaria MTE 3.214/78, que trata da ergonomia do trabalho.

 

 


Veja a idade mínima da aposentadoria do INSS em 2020

Veja a idade mínima da aposentadoria do INSS em 2020

 13/01/2020

 Folha de São Paulo

Quem estava contando os dias para entrar com o pedido de aposentadoria no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) pode ter que refazer os cálculos. Isso porque, desde 1º de janeiro deste ano, passaram a valer novas regras de transição, mais duras do que as que [...]



Grupo Pão de Açúcar abre lojas dentro de empresas

Grupo Pão de Açúcar abre lojas dentro de empresas

 10/01/2020

 Folha de São Paulo

A rede Minuto Pão de Açúcar, do GPA, estreia suas lojas para o segmento de escritórios. A primeira será na sede do Bradesco Seguros, em Alphaville, Barueri (SP), e a segunda, na central administrativa do Assaí Atacadista, na zona leste [...]



Como é estar grávida no mercado de trabalho

Como é estar grávida no mercado de trabalho

 07/01/2020

 Folha de São Paulo

O ato de gestar um bebê é mais antigo do que as relações de trabalho que conhecemos hoje. Ainda assim, há empresas e chefias que ainda não sabem lidar com uma funcionária que engravida.  Depois de uma pausa para as festas de [...]


Empresas pernambucanas inventam picolé de cerveja

Empresas pernambucanas inventam picolé de cerveja

 07/01/2020

 Follha de São Paulo

Com a chegada do verão e a proximidade do Carnaval, duas empresas pernambucanas se uniram para lançar um picolé de cerveja. O produto será comercializado a partir desta quinta-feira (9) em 24 pontos de venda em Pernambuco. A estimativa é de que [...]








Governo recua de distribuir 100% do lucro do FGTS

Governo recua de distribuir 100% do lucro do FGTS

 13/12/2019

 O Estado de São Paulo

O governo federal recuou e desistiu de distribuir 100% do lucro do FGTS com os trabalhadores. O presidente Jair Bolsonaro atendeu a um pedido do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e vetou o dispositivo que ampliaria a distribuição do lucro e a rentabilidade das [...]