FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Seu seguro-desemprego dura no máximo 5 meses. Procure trabalho antes disso.

Publicado em : 10/08/2018

Fonte : Uol Economia -

Quem foi demitido sem justa causa e está recebendo o seguro-desemprego deve lembrar que o benefício dura entre três e cinco meses. Já o tempo para conseguir uma nova vaga no mercado de trabalho pode demorar muito mais do que isso.

Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) entre novembro e dezembro do ano passado mostrou que o tempo médio de desemprego chegava a um ano e dois meses em 2017. A recomendação de especialistas, porta

É difícil se recolocar logo

"A orientação é que a pessoa não espere. Se começar a se organizar apenas depois que o seguro acabar, mesmo que dê muita sorte de conseguir um emprego logo, só o tempo de preparar e enviar o currículo já pode fazer a pessoa ficar um mês descoberta, sem salário. É difícil imaginar que todo mundo vai conseguir se recolocar logo de cara", disse Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Para Carolina Silva, coordenadora de recrutamento e seleção da Luandre, o seguro-desemprego é um recurso de suporte, para atender necessidades básicas. "Algumas pessoas podem pensar: 'vou ganhar um salário de R$ 1.000, mas estou recebendo R$ 1.000 de seguro-desemprego. É melhor ganhar R$ 1.000 sem fazer nada do que trabalhando'. Isso é uma armadilha. É preciso pensar em um prazo maior." 

O seguro-desemprego é pago em parcelas, de três a cinco. O número de parcelas varia de acordo com a quantidade de meses trabalhados antes da demissão e se o trabalhador já havia recebido o benefício anteriormente. O valor também pode ser diferente do que o profissional ganhava quando estava empregado. Em 2018, o valor das parcelas vai de R$ 954 a R$ 1.677,74.

Veja o que fazer se foi demitido e está recebendo seguro-desemprego:

Atualize o currículo já

Salvo os casos de pessoas que já estavam planejando ficar um tempo fora do mercado de trabalho, as especialistas recomendam atualizar o currículo logo após a dispensa da empresa e começar a procurar um novo emprego.

"Coloque nas redes sociais, atualize seu perfil no LinkedIn, acione sua rede de contatos, mande seu currículo atualizado para empresas e busque sites de recrutamento. Se está desempregado, é possível aproveitar fontes gratuitas. Se tiver dinheiro para investir, você pode usar sites pagos", disse Carolina.

Não tenha vergonha de dizer que está desempregado

Profissionais que acabaram de perder o emprego podem ter vergonha de compartilhar essa informação com amigos. "Não tenha vergonha por estar disponível no mercado de trabalho. Muitos ficam constrangidos em dizer que estão procurando emprego e acabam não utilizando uma rede riquíssima que são seus próprios contatos", afirmou Carolina.

Marcela concorda. "Não precisa ter vergonha. Avisar que está procurando emprego pode ser a forma de alguém lembrar de você para uma vaga."

Pense em aceitar uma vaga diferente

Pode valer a pena pensar em atuar em outras áreas para garantir um dinheiro no final do mês. "O mercado de trabalho ainda não se recuperou. Pode ser uma boa ideia aceitar um trabalho que não é o que você considera ideal, mas que vai ajudá-lo a se reinserir no mercado. Além disso, você começa a fazer novos contatos e desenvolver novas habilidades", disse Marcela.

Carolina afirmou que os recrutadores já estão com uma sensibilidade maior para aceitar candidatos com um tempo fora do mercado por causa do cenário econômico, mas que vale a pena destacar o que o profissional fez nesse período sem emprego.

"Não é um problema dizer que o mercado está difícil. O número de profissionais sem emprego está superior ao número de vagas disponíveis. Mas vale contar o que esse candidato fez ao longo desse período. Tentou mandar currículo, chegou à fase final de um processo seletivo, optou por descansar porque se organizou e tinha condições de ficar um tempo fora do mercado. Isso deve ser compartilhado com o recrutador."

 



Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

 14/03/2019

 Folha de São Paulo

O governo vai pedir ao Congresso autorização para usar aplicativos de mensagens, redes sociais e call center para cobrar devedores. A estratégia tem o objetivo de elevar a recuperação de recursos que entraram na Dívida Ativa da União [...]




Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

 08/03/2019

 O Popular

Com o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, imposta pela reforma trabalhista, sindicatos de trabalhadores e de patrões em Goiás sofreram uma drástica perda de receita e estão tendo que se reinventar para continuar de portas abertas. O [...]



Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

 28/02/2019

 O Popular

Os trabalhadores goianos viram seu poder de compra cair muito nos últimos anos por conta da crise econômica. O rendimento domiciliar per capita goiano cresceu 28,3% em cinco anos, entre os anos de 2014 e 2018. Porém, no mesmo período, a inflação pelo [...]


União de sindicatos é tendência global

União de sindicatos é tendência global

 25/02/2019

 Estado de São Paulo

A Força Sindical, que reúne quase 1,3 mil sindicatos representantes de 1,6 milhão de trabalhadores, colocou à venda a sede da entidade, um prédio de 12 andares no bairro da Liberdade, em São Paulo, por R$ 15 milhões. Sem a parte do imposto [...]