FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Ricardo Eletro protocola o maior plano de recuperação judicial do varejo

Publicado em : 15/10/2020

Fonte : Estado de São Paulo -

A varejista Ricardo Eletro, que pertence ao grupo Máquina de Vendas, apresentou, na noite de terça-feira, 14, a minuta do seu plano de recuperação judicial, a maior já realizada no setor de varejo. Com dívidas de cerca de R$ 4 bilhões e pouco menos de 20 mil credores, a empresa fechou 400 lojas e “está endereçando o negócio para ser uma plataforma digital”, diz Salvatore Milanese, sócio-fundador da Pantalica Partners, assessoria financeira da empresa.

O documento detalha as diretrizes do plano de recuperação, como a forma de pagamento a cada tipo de credor. O pedido de recuperação judicial da varejista foi aprovado pela Justiça em agosto e teve os efeitos da pandemia como justificativa final, após uma série de dificuldades enfrentadas pelo grupo – que também detém as marcas Insinuante, Salfer, City Lar e EletroShopping.

No texto, a Máquina de Vendas propõe que os credores com garantia real recebam seus pagamentos com o valor de um excedente do caixa da empresa. Na prática, a proposta é que o que passar do caixa mínimo, de R$ 100 milhões, seja distribuído aos credores. Além disso, será aplicado deságio de 85% sobre os valores.

 

Se aceito, o pagamento começa após a rede quitar os seus “credores estratégicos”. Segundo Luiz Deoclecio Fiore, sócio da OneBehalf, esses credores são, em geral, fornecedores que optam por manter o fornecimento e têm vantagens no recebimento de seus créditos.

Já os credores sem garantia real, no valor de até R$ 3,5 mil, receberão R$ 1,5 mil no prazo de até dois anos, a partir da homologação. Quem tem a receber mais de R$ 3,5 mil terá o pagamento atrelado ao excedente do caixa mínimo.

O deságio para esses credores também é de 85% e o pagamento acontece depois que os credores estratégicos tiverem suas dívidas quitadas. Quem tem mais de R$ 3,5 mil a receber mas quer receber sem depender do caixa excedente, pode optar por receber à vista R$ 1,5 mil em até 24 meses, e abrir mão do que restar. “Nesse momento, estamos dando prioridade às dívidas trabalhistas, pois os trabalhadores demitidos são o principal foco de atenção da empresa”, diz Milanese.

A empresa informou à Justiça que tem R$ 30 milhões para pagamento de parte desse valor devido aos trabalhadores. Esses credores devem receber até R$ 4 mil e, para quem tem mais do que isso a receber, haverá o deságio de até 85%.

Com a venda de ativos físicos a Ricardo Eletro deve apostar no e-commerce. A rede pretende manter cem lojas físicas. 

Para Fiore, o plano da empresa tem problemas. Ele considera que a imposição do caixa mínimo de R$ 100 milhões dificulta que os credores recebam seus valores de direito. “O plano deveria ter a situação fiscal da empresa mais detalhada. A companhia teve problemas com pagamentos à União e isso não está exposto de forma que os credores tenham uma noção completa do que a empresa tem a pagar”, avalia.

Concorrentes

Enquanto a Ricardo Eletro, que tradicionalmente era a terceira maior força do mercado de eletrodomésticos, sofre há anos com uma forte crise, passando por uma série de reestruturações, tentativas frustradas de venda e agora recorre à recuperação judicial, suas principais rivais – Via Varejo e Magazine Luiza – vivem um forte ano na B3, a Bolsa paulista. Ambas figuram entre as maiores altas do índice Ibovespa, referência para o mercado brasileiro. A primeira subiu 71,8% desde janeiro, apesar da pandemia do novo coronavírus, enquanto a segunda teve um desempenho ainda melhor: suas ações subiram 115,8% no acumulado de 2020, com a segunda maior valorização de todo o índice, atrás somente da gigante industrial Weg, que subiu mais de 130%. No geral, o Ibovespa acumula baixa de 14% no ano.








Desoneração divide bancada goiana no Congresso

Desoneração divide bancada goiana no Congresso

 03/11/2020

 O Popular

Os deputados federais e senadores goianos que formam a bancada goiana na Câmara e no Senado estão divididos quanto à prorrogação da desoneração da folha de pagamentos dos segmentos econômicos beneficiados, mas com uma pequena maioria a [...]




A obra e a vida superlativas de William Agel de Mello

A obra e a vida superlativas de William Agel de Mello

 02/11/2020

 O Popular

William Agel, de 83 anos, vive em Goiânia desde que se aposentou, há dez anos. Ele já percorreu 56 países: “Daqui não saio de jeito nenhum” (Foto: Wildes Barbosa)   Pouco antes de iniciar os percalços provocados pela pandemia do [...]





Temporários já chegam ao comércio em Goiânia

Temporários já chegam ao comércio em Goiânia

 22/10/2020

 O Popular

A temporada de contratações para as vendas de Natal no comércio de Goiânia este ano se confunde com uma reposição do quadro de funcionários desligados durante os decretos de isolamento social. Além das vagas de trabalho temporário [...]