FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Governo recua de distribuir 100% do lucro do FGTS

Publicado em : 13/12/2019

Fonte : O Estado de São Paulo -

O governo federal recuou e desistiu de distribuir 100% do lucro do FGTS com os trabalhadores. O presidente Jair Bolsonaro atendeu a um pedido do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e vetou o dispositivo que ampliaria a distribuição do lucro e a rentabilidade das contas, previsto na lei que trata dos saques do fundo de garantia, sancionada ontem.

Com o veto, permanece em vigor a regra antiga, criada no governo Michel Temer, que prevê distribuição de “parte” do lucro com os cotistas. Nos últimos anos, a divisão foi de 50% do resultado.

O próprio presidente havia assinado em julho deste ano uma Medida Provisória (MP) que ampliou as possibilidades de saque do fundo de garantia e previu também a distribuição de todo o lucro do FGTS para os trabalhadores. Como a MP tem vigência imediata, neste ano os cotistas já receberam em suas contas o correspondente à divisão de 100% do resultado, que totalizou R$ 12,2 bilhões. O crédito é feito até 31 de agosto de cada ano.

À época do anúncio do resultado, o presidente do Conselho Curador do FGTS, Igor Vilas Boas, disse em nota divulgada pelo Ministério da Economia, que a distribuição de 100% do resultado do FGTS ao trabalhador “amplia os ganhos do cotista, tornando a rentabilidade do FGTS melhor que a maioria dos investimentos”.

Rendimento

Os recursos depositados no FGTS são remunerados a uma taxa de 3% mais a Taxa Referencial (TR). Com a distribuição de 100% do lucro de 2018, a previsão é que a rentabilidade das contas fique em 6,18%, melhor do que o rendimento da poupança.

O veto acaba com a obrigatoriedade de seguir com essa política de distribuição total do lucro com os trabalhadores.

Na justificativa do pedido de veto, o MDR informou que a lei estava limitando os subsídios concedidos a famílias beneficiárias do Minha Casa, Minha Vida, e ampliando o lucro do FGTS “de forma a favorecer as camadas sociais de maior poder aquisitivo, que são as que possuem maior volume de depósitos e saldos na conta do FGTS”.

A limitação aos subsídios do Minha Casa Minha Vida também foi vetada por Bolsonaro.

Na área econômica do governo, apesar da decisão do presidente de acatar o pedido do MDR, lembra-se nos bastidores que não há qualquer trava na lei para impedir o Conselho Curador de distribuir fatia maior ou menor do que os 50% adotados nos anos anteriores.

Como a lei fala em “parte” do lucro, a avaliação é de que pode-se repartir de 1% a 99% do resultado, a depender da orientação da equipe econômica. O Ministério da Economia tem maioria no colegiado, ocupando três dos seis assentos do governo. MDR, Ministério da Infraestrutura e Casa Civil têm um assento cada.





A epidemia como desculpa para uma reforma trabalhista

A epidemia como desculpa para uma reforma trabalhista

 24/03/2020

 Veja

Paulo Guedes, que a população não vê ao vivo há três dias porque está trabalhando em casa por integrar o grupo de risco, age como quem tem um caminhão de limões e pretende fazer com eles uma limonada – no caso, exclusiva para [...]





Comércio deve fechar as portas em todo Estado

Comércio deve fechar as portas em todo Estado

 17/03/2020

 O Popular

O comércio deverá fechar as portas em Goiás, segundo anunciou o governador Ronaldo Caiado (DEM) ontem em entrevista coletiva. A paralisação deve ocorrer a partir de quinta-feira (19). A decisão foi divulgada após reunião com o prefeito [...]




Trabalho: Páscoa incrementa renda extra

Trabalho: Páscoa incrementa renda extra

 02/03/2020

 O Popular

Depois das festas de Carnaval, o mercado começa a se preparar para as vendas de produtos para a Páscoa. Nesta época, muita gente quer aprender a preparar ovos de chocolate para fazer uma renda extra, iniciar um novo negócio ou somente para presentear familiares e [...]





Litro de gasolina tem R$ 2,05 em impostos

Litro de gasolina tem R$ 2,05 em impostos

 17/02/2020

 O Popular

Os motoristas goianos pagam cerca de R$ 2,05 de impostos em cada litro de gasolina adquirido em postos do Estado, o 5º maior valor do País. Com a alíquota de 30%, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é o tributo que tem [...]