FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Governo prevê salário mínimo de R$ 1.002 para 2019

Publicado em : 16/04/2018

Fonte : Com Reuters e Agência Brasil -

O governo propôs salário mínimo de R$ 1.002 em 2019, informou o Ministério do Planejamento nesta quinta-feira (12). O valor representa um aumento de R$ 48 em relação ao salário mínimo atual, de R$ 954. Com isso, o mínimo passaria de R$ 1.000 pela primeira vez. 

A proposta foi anunciada durante apresentação do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias do ano que vem. O ministério também projetou salário mínimo de R$ 1.076 para 2020 e de R$ 1.153 em 2021. Os valores são estimativas e ainda precisam ser aprovados. 

O salário mínimo é reajustado com base na inflação do ano anterior, levando em conta o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), mais o aumento do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes (no caso, 2017).

O valor é usado como referência para os benefícios assistenciais e previdenciários, como o abono salarial, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e as aposentadorias e pensões do INSS.

Caso aprovado, o valor de R$ 1.002 para o mínimo de 2019 representará um aumento de 5,03%. Em 2018, a correção foi de 1,81% - o salário passou de R$ 937 em 2017 para R$ 954. 

No início do ano, o Ministério do Planejamento afirmou que a correção do salário mínimo em 2019 compensaria o reajuste abaixo da inflação em 2018. 

PIB cresceu 1% em 2017

A atual regra de cálculo do salário mínimo, que leva em conta a inflação e o crescimento da economia, é garantida por lei até 2019. Em 2017, o PIB cresceu 1%. 

No caso de aposentados e pensionistas do INSS, a regra vale apenas para os que ganham até 1 salário mínimo. Quem ganha mais, recebe apenas o reajuste equivalente à inflação.  

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. 

Mínimo deveria ser de R$ 3.706,44, diz Dieese

A lei que criou o salário mínimo foi assinada em 1936, pelo então presidente Getúlio Vargas. A legislação definiu o valor como a remuneração mínima devida ao trabalhador, capaz de satisfazer suas necessidades de alimentação, vestuário, habitação, higiene e transporte.

Porém, segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), o valor está longe disso.

Em março, por exemplo, o Dieese calculou que o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.706,44. O valor é 3,89 vezes o salário atualmente em vigor.

 



Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

 14/03/2019

 Folha de São Paulo

O governo vai pedir ao Congresso autorização para usar aplicativos de mensagens, redes sociais e call center para cobrar devedores. A estratégia tem o objetivo de elevar a recuperação de recursos que entraram na Dívida Ativa da União [...]




Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

 08/03/2019

 O Popular

Com o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, imposta pela reforma trabalhista, sindicatos de trabalhadores e de patrões em Goiás sofreram uma drástica perda de receita e estão tendo que se reinventar para continuar de portas abertas. O [...]



Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

 28/02/2019

 O Popular

Os trabalhadores goianos viram seu poder de compra cair muito nos últimos anos por conta da crise econômica. O rendimento domiciliar per capita goiano cresceu 28,3% em cinco anos, entre os anos de 2014 e 2018. Porém, no mesmo período, a inflação pelo [...]


União de sindicatos é tendência global

União de sindicatos é tendência global

 25/02/2019

 Estado de São Paulo

A Força Sindical, que reúne quase 1,3 mil sindicatos representantes de 1,6 milhão de trabalhadores, colocou à venda a sede da entidade, um prédio de 12 andares no bairro da Liberdade, em São Paulo, por R$ 15 milhões. Sem a parte do imposto [...]