FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Concessionárias em Goiânia passa

Publicado em : 01/09/2020

Fonte : O Popular -

As concessionárias ficaram fechadas por três meses por conta da pandemia de coronavírus. Mas, quando reabriram, em Goiânia, passaram a lidar com fila de espera por veículos. Situação que ocorre desde junho. Demanda reprimida combinada com o fato de que as fábricas ainda voltam ao ritmo de produção, fazem com que alguns modelos demorem até 120 dias para chegar, especialmente os utilitários. Situação que a reportagem encontrou ontem em cinco revendedoras na capital.

Vendedores classificam que a demanda é considerada acima do esperado. Tanto que, em meio à crise causada pela Covid-19, a frota em Goiás teve acréscimo de 37.349 veículos de março para julho (1%), segundo registro do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Sendo que o tipo com maior alta é exatamente os utilitários, com crescimento de 4,43%.

“A fábrica até que tinha produção de um tanto, só que o que vendeu foi quase três vezes mais. Para piorar, não pode cumprir com a meta de produção por causa da pandemia”, explica o gerente de vendas da Tecar Fiat do Santa Genoveva, Gustavo Tiveron. Por lá, ele conta que a maior espera para os clientes é da nova Fiat Strada, cuja fila varia de 90 a 120 dias.

Mas a procura também cresceu para Fiat Toro. “Minha venda aumentou mais de 150% e a produção também já estava escassa. Já os carros mais baratos diminuíram a venda”, explica.

Para veículos da Chevrolet, há situação semelhante. “Alguns modelos não temos a pronta entrega. No geral, demora entre 30 e 45 dias. Quando a fábrica retornou, não tinha a medida certa e o mercado voltou a comprar. A cadeia de produção e a entrega foram afetadas”, diz o gestor comercial da Jorlan, Márcio Macêdo. Ele explica que a maior procura tem ocorrido pela S10. Cita também Onix e Tracker – que teve de parar a venda para equilibrar os pedidos para voltar a vender somente agora em setembro.

“Tenho mais para entregar do que no estoque. Em maio, voltou a produção, mas não produziu para atender a demanda atrasada e ficou uma defasagem.” De outro lado, ele lembra que a demora já foi de até 90 dias e que os clientes têm sido atendidos com mais agilidade. “O varejo é engraçado, tem o cliente e não tem o produto ou ocorre o contrário. A receita perfeita é complicada e não pode sobrar carro. E a cadeia é extensa para acertar.”

melhora

Uma projeção de melhora a partir de setembro também é feita pelo gerente de venda direta da Navesa Renault, Bruno Crispim. Utilitários também estão com prazo médio de 90 a 120 dias. Entre os mais pedidos, revela que há longa espera pelo modelo Oroch. “Na venda direta, algumas empresas continuam tendo a demanda do veículo e por isso compram. Mas alguns cancelam por não querer esperar e a gente expõe para o cliente a situação.”

Para a vendedora da Navesa Ford, Rosa Maria de Sousa, o agronegócio aquecido também é motivo para aumento da demanda por utilitários e picapes. Ela cita que Ranger pode demorar até dois meses para que o cliente consiga levar.

Segundo o diretor executivo do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos Automotores de Goiás (Sincodive-GO), Lincon Vargas da Silva, as montadoras voltaram de férias em julho e não há um problema generalizado para abastecer o mercado, o que não exclui dificuldades pontuais para alguns modelos. “As pessoas que pretendiam trocar de carro estão trocando. Existia um desejo reprimido e a necessidade está acontecendo, como é o caso do agronegócio. E o que falta, falta no Brasil todo.”

 



Temporários já chegam ao comércio em Goiânia

Temporários já chegam ao comércio em Goiânia

 22/10/2020

 O Popular

A temporada de contratações para as vendas de Natal no comércio de Goiânia este ano se confunde com uma reposição do quadro de funcionários desligados durante os decretos de isolamento social. Além das vagas de trabalho temporário [...]









Ministério Público propõe limites ao home office

Ministério Público propõe limites ao home office

 05/10/2020

 Estado de São Paulo

Com o trabalho remoto durante a pandemia se tornando o modelo-padrão para muitas empresas daqui para frente, o Ministério Público do Trabalho (MPT) avisou que irá intensificar a fiscalização das condições dos trabalhadores que [...]